"Devemos começar a amar afim de não adoecermos, e estamos destinados a cair doentes se, em conseqüências de frustrações, formos incapazes de amar..." (Sigmund Freud)

.

.

.

.

.