Lembremo-nos, antes de tudo, de que os nossos entes amados são consciências livres, quais nós mesmos. (Emmanuel)

.

.

.

.

.