"Só conservamos, na velhice, uma espinha arqueada que se dobra ante os novos fatos, quando nos mantivemos curvados durante a vida para evitar os choques dolorosos com a realidade." (Sigmund Freud)

.

.

.

.

.